Governador Mauro Carlesse implanta programa para acabar com as filas de cirurgias eletivas

Um total de 5.547 pessoas que aguardam por cirurgias eletivas no Tocantins serão beneficiadas com a medida provisória que será assinada pelo governador em exercício, Mauro Carlesse, nesta quinta-feira, 5, no Hospital Geral de Palmas (HGP), às 10h30. Na ocasião, o chefe do Executivo estadual também irá vistoriar as obras da Unidade de Cuidados Intermediários (UCI) a fim de acelerar a entrega.

O documento irá instituir no Estado o Programa de Aprimoramento da Gestão Hospitalar (Pagh), composto por ações estratégicas de permanentes mutirões de procedimentos cirúrgicos eletivos de procedimentos de baixa, média e alta complexidade, denominado Opera Tocantins.

“Encontramos o Tocantins com uma fila de cerca de seis mil pessoas esperando por cirurgias eletivas. Tem algumas áreas específicas que tem pessoas esperando por mais de seis meses ou até mais tempo. Em razão disso, vamos fazer uma força-tarefa de mobilização dos profissionais, das estruturas de gestão e estrutura dos hospitais para que a gente possa suprir essa necessidade e zerar essa fila. A nossa ideia é que nos próximos 45 dias a gente consiga atender todas as pessoas que estão na espera. O Governo está sensível a isso e essas medidas são apenas um início de muitas outras notícias positivas que pretendemos anuncias para a área”, afirmou o governador em exercício, Mauro Carlesse.

As cirurgias eletivas serão realizadas nas 18 unidades hospitalares do Estado. De acordo com o programa, os procedimentos se concentrarão em dias específicos e executados fora dos horários rotineiros de trabalho e serão realizados aos sábados, domingos, feriados e dias de ponto facultativo. Durante a semana ocorrerá em período noturno/madrugada, não podendo ser executado na jornada ordinária nem em jornada adicional de hora extra de trabalho.

“O Pagh-Cirúrgico considera como os casos eletivos aqueles necessários para tratamento médico dos pacientes, que não se revestem das características de urgência ou emergência, ou seja, quando ele não está sob o risco de vida imediato ou sofrimento intenso, podendo ser efetuada em data definida, desde que esta data não comprometa a eficácia do tratamento”, explicou o secretário de Estado da Saúde, Renato Jayme.

Renato Jayme afirmou ainda que o programa faz parte uma de uma modernização na gestão da Saúde. “Nossa maior preocupação é reduzir as filas e levar para toda a população do Estado um atendimento rápido e eficaz naquilo que o cidadão anseia. Quem sofre com algum problema de saúde ou precisa realizar uma cirurgia não tem tempo para esperar”, concluiu.

Especialidades e Valores

A especialidade com maior demanda é a Geral, com 1.669 pessoas aguardando cirurgias. Ela vem seguida pela Ortopedia (1.035), Pediátrico (984), Ginecologia (714), Cabeça e Pescoço (529), Urologia (438), Vascular (87), Mastologia (37), Otorrino (28), Plástica (24), Oncologia e Outros (2).

Das cirurgias, a maioria é de complexidade Média (5.506), seguida por Alta (473), Baixa (16) e não se aplica (2). O investimento com a implantação do Pagh-Cirúrgico é de ordem de R$ 9.302.700 para a realização das 5.547 cirurgias. O valor será custeado pelo Fundo Nacional de Saúde do Ministério da Saúde, previstos para a realização de cirurgias eletivas na Programação Anual (PAS).

Artigos Relacionados